Notícias

Artigo: Você quer renegociar suas dívidas? Então, mãos à obra!

Com a sucessão de boas notícias para o devedor (utilização dos bancos públicos para baixar as taxas de juros na economia, e redução da Selic para 9% a.a.), é hora do endividado começar a pensar na possibilidade de regularizar a sua situação. Os técnicos, educadores financeiros e profissionais ligados às finanças são unânimes em afirmar: só faça isso se estiver consciente de que tem condições de negociar ou discutir com o gerente do banco. Fora disso, a chance de sucesso (com vantagem para o devedor) é praticamente nula.

Mas antes de começar a propor algo, é fundamental estar de posse de alguns dados básicos:

  • qual é a minha renda mensal?
  • qual a parcela dessa renda que eu posso destinar à renegociação?
  • qual o meu horizonte e percepção de futuro com relação ao meu trabalho ou à continuidade da minha renda?

Sem essas informações fica muito difícil tentar uma renegociação. Lembre-se que o gerente do banco é um sujeito técnico, que foi treinado para fazer aquilo que lhe é pedido. E mais: nunca o gerente vai decidir a favor do cliente se ele, gerente, não entender que isso também seja bom para o banco que lhe emprega. Portanto, nada de tentar enganar ou negociar sem ter certeza dos dados apresentados. E nem de acreditar que o gerente é “seu amigo”. O risco seria imenso.

As taxas de juros caíram, é verdade. O mercado ainda está se adensando, acostumando com a nova realidade. Portanto, é bem possível que esse processo possa demorar um pouco a ser deferido. Dialogar com o gerente do banco munido de uma planilha ou dados reais é um ótimo começo. Mas entenda que nem todos os produtos financeiros sofreram redução na sua taxa de juros. E outros tiveram apenas o seu “patamar mínimo” de cobrança de juros reduzido, o que não significa que o banco lhe concederá esse benefício. CDCs, Capital de Giro e limite de crédito na conta de depósitos são algumas das modalidades de crédito que obtiveram redução nas taxas. Porém, o famigerado cartão de crédito continua inabalável como campeão das taxas e, quanto a esse, ninguém falou alguma coisa com respeito a diminuição.

O sucesso nessa empreitada vai depender de você estar com a atenção voltada para os seguintes pontos (clique no link abaixo):

Você quer renegociar suas dívidas?

José Mario

Sobre José Mario

José Mario é pós-graduado em Administração e empresário. Foi bancário, árbitro de Tribunal de Mediação e Arbitragem e dirigente de classe empresarial. Especialista em microfinanças, é Orientador em Finanças Pessoais desde 2001, dedicando-se à educação financeira e interessado em tudo o que se relaciona com o assunto. É o editor da Clínica de Finanças, website voltado ao ensino e análise das finanças pessoais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *