Notícias

Qual seria o salário mínimo ideal?

Não é de hoje que ouvimos muitos trabalhadores reclamando do valor do salário mínimo. Você consegue pensar em qual seria o valor ideal? Pois é isso que o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) faz: informar qual seria o salário necessário para atender as necessidades de uma família brasileira tradicional.

1. Como é a composição do salário mínimo? Como ele é calculado?

Originalmente o Salário Mínimo foi concebido pelo presidente Getúlio Vargas. Inicialmente houve a criação da “cesta básica”, um conjunto de itens suficientes para alimentar o trabalhador. O Salário Mínimo foi  imaginado de forma que ele cobrisse o equivalente a 10 cestas básicas regionais de gêneros alimentícios. Modernamente o DIEESE calcula o Salário Mínimo Necessário como sendo o valor suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, saúde, moradia, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, e o atualiza mensalmente em função da oscilação do preço da cesta básica de valor mais alto entre as capitais brasileiras. Em abril, a cesta mais cara do Brasil foi a de Porto Alegre.

2. Supondo uma família de quatro pessoas (o casal e dois filhos), o valor é suficiente para o sustento?

Em tese deveria ser. Afinal, esse valor de abril (R$ 3.899,66) representa 4,16 SMs, de R$ 937,00. Essa faixa salarial está fora de cogitação para boa parte de brasileiros, que consegue sobreviver com apenas um salário-mínimo oficial.

3. Então, qual seria o salário mínimo ideal?

Ele varia mensalmente em função da oscilação do valor das cestas básicas nas capitais brasileiras. O DIEESE calculou os seguintes valores para os últimos meses:

ABR/2017 -> R$ 3.899,66

MAR/2017 -> R$ 3.673,09

FEV/2017 -> R$ 3.658,72

JAN/2017 -> R$ 3.811,29

4. Os aumentos anunciados pelo governo federal todos os anos são, de fato, um aumento real do salário mínimo?

Sim. De acordo com a lei atual, o salário mínimo é reajustado todo ano pela variação do INPC (inflação para população de baixa renda) no ano anterior, acrescido da taxa de crescimento real do PIB dois anos antes (se houver crescimento). Essa é uma forma de distribuição de riqueza. Porém, a base em que se calcula isso é muito pequena. Por isso esse salário-base irrisório.

5. Podemos falar em avanço da informalidade por conta do valor do salário mínimo? (quem provê a família acaba não conseguindo fechar as contas todo mês e tem que complementar a renda)

É possível que sim. Mas precisamos entender que, na informalidade, o trabalhador não tem a cobertura da Previdência Social, nem FGTS, muito menos férias, de 13º Salário além de outros benefícios como salário-família e licença-saúde.

6. Quais outras consequências para a população de não ter um salário mínimo com o valor que realmente deveria ter?

Com baixa renda a população fica alijada de boa parcela do consumo. A qualidade de vida decai, o que repercute na expectativa de vida. Além disso, o comércio, a indústria e os serviços perdem um mercado potencial de consumo visto que a renda não é suficiente muitas vezes nem para manter um nível digno de vida.

7. Um salário de R$ 3.700,00 é possível ser implementado no Brasil?

Sem a menor chance. Isso envolveria cobertura de aposentadorias e outros benefícios sociais que o caixa do Governo não teria como cobrir. Além do mais, com um salário mínimo nesse patamar os custos de produção explodiriam, o que tornaria proibitivos os preços da quase totalidade dos produtos essenciais.

Salário mínimo_1

 

(Essa matéria foi o tema do quadro ‘O Especialista’, veiculado pela Rádio Brasil Central AM 1.270 de Goiânia, na terça-feira 30/05/2017, a partir das 9:05 h)

José Mario

Sobre José Mario

José Mario é pós-graduado em Administração e empresário. Foi bancário, árbitro de Tribunal de Mediação e Arbitragem e dirigente de classe empresarial. Especialista em microfinanças, é Orientador em Finanças Pessoais desde 2001, dedicando-se à educação financeira e interessado em tudo o que se relaciona com o assunto. É o editor da Clínica de Finanças, website voltado ao ensino e análise das finanças pessoais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *